quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Favela, ê Favela!!

Detentores de 6% da população brasileira que correspondem a quase 11 milhões de habitantes, os assentamentos irregulares - comumente chamados de favelas - ajudam a compor o cenário caótico que vige em nosso país nos aspectos sociais, econômicos e ambientais. Instalados em precárias infraestruturas, os moradores ficam sujeitos a falta de saneamento básico, água potável, e suas estreitas ruas impedem a circulação de veículos públicos de médio e grande porte, como ambulâncias e caminhões coletores de resíduos.
Alvos d'uma constante superlotação, as favelas são os refúgios encontrados pela maioria da população que migra do interior para o centro da cidade na busca de emprego para uma significativa melhora na qualidade de vida. Porém o que encontramos hoje não é essa sonhada realidade: o número de assentamentos irregulares só faz aumentar, enquanto o número de habitantes trabalhadores desta é estático.
Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2010 foram contabilizados 6.329 aglomerados irregulares em 323 municípios dos 5.565 do país, e dentre esses, 82% estavam concentrados em regiões metropolitanas. São Paulo e Rio de Janeiro, as duas maiores cidades do país, possuem respectivamente 11% e 22% de sua população localizada em favelas. A cidade de Campo Grande foi analisada como a capital com o menor índice da população habitando em aglomerações irregulares - 0,2%. Já em Belém, é evidenciado um fatídico contraste, onde mais da metade (54,5% da população) vive em favelas.
Considerado o culpado deste mal, o Estado tenta fazer o possível para remediar o irremediável, pois do que adianta a criação de habitacionais, políticas sociais, se a cada vez mais a demanda é maior de pessoas que migram para a cidade por não terem oportunidades no interior? O Estado deve proporcionar um maior desenvolvimento também nos interiores, na tentativa de minimizar este grande êxodo rural e desmistificar essa ideia de que morar na cidade é sinônimo de desenvolvimento. A partir daí, as ações tomadas poderão surtir algum efeito benéfico nas favelas, afinal, de nada adianta enxugar o chão com a torneira ainda aberta.



Abraços.
E aí?

2 comentários:

  1. Porque favelas existem apenas nas maiores cidade? pq muitas saem de interior, de cidades pequenas, a procura de algo a mais e acaba quebrando a cara,, tendo que se abrigar em favelas, então, favela, é o lugar onde abriga pessoas humildes, não marginais, não bandidos, ou melhor, TAMBÉM, como em todos os lugares tem, inclusive em um dos lugares de alta importancia, EM BRASILIA, NO PLENÁRIO. As pessoas tem que parar de jugar os favelados, e os governantes, que que fazer por onde melhore o meio de vida dessas pessoas, com justiça, não prendendo , batendo ou até mesmo, matando pessoas inocentes e que possuem sonhos, igual a qualquer outra pessoa que mora em, por exemplo " COPACABANA " . Bjos.
    mariibrigadeiro.blogspot.

    ResponderExcluir
  2. Considerado mesmo e sempre o grande culpado pelos problemas sociais, o Estado enfrenta uma questão muito complexa. Até mesmo ações como a pacificação das favelas no Rio, vêm gerando migração da população pobre, como mostrado recentemente na Carta Capital (http://www.cartacapital.com.br/sociedade/os-retirantes-das-favelas-2/).
    Como sempre, vê-se que questão perpassa investimentos locais e pontuais, enquanto o país não contar com uma estrutura social mais igualitária, não importa se no campo ou na cidade, os problemas apenas se estenderão.

    ResponderExcluir

Escreva seu comentário AQUI !!